Receba novidades - cadastre seu E-MAIL

quarta-feira, 23 de junho de 2021

Projeto - "A Galinha Pintadinha"

 Projeto: A Galinha Pintadinha

  

Como nasceu A Galinha Pintadinha?

Em dezembro de 2006, Juliano Prado e Marcos Luporini postaram no Youtube um vídeo infantil chamado “A Galinha Pintadinha”. Esta foi a solução para apresentar o vídeo em uma reunião de produtores na qual eles não poderiam estar presentes.

Seis meses depois, a surpresa: o vídeo havia virado um hit e já ultrapassava a marca de 500.000 visualizações, número expressivo para a época. Empolgados com o sucesso, o vídeo “Galinha Pintadinha” se transformou em um projeto que tem por principal objetivo o resgate e a promoção de canções infantis populares brasileiras. Através da produção, gravação e distribuição de DVDs, as animações 2D de personagens infantis acompanham os temas das músicas seguindo um enredo montado com elementos visuais lúdicos e didáticos para a audiência infantil.

Apesar de ser voltado ao segmento infantil, com foco em crianças de zero a seis anos, o projeto “Galinha Pintadinha” une gerações e, com sua roupagem moderna para a cultura tradicional brasileira, coloca para dançar numa mesma sala a vovó e seus netinhos, sempre sob os olhares carinhosos dos pais.

Fonte: www.galinhapintadinha.com.br

“A Galinha Pintadinha” na escola.

É comprovado cientificamente que as crianças aprendem muito mais quando o assunto é de seu interesse e esse tema agrada tanto os pequenos, que se deixar, só querem cantar e dançar as músicas que fazem parte dos 3 DVDs da Galinha Pintadinha.

As músicas podem auxiliar muito o desenvolvimento das crianças, sendo assim, é importante trabalhar bastante as canções infantis, portanto, não podemos esquecer de inserir outros conteúdos pertinentes ao tema que elas trazem, por exemplo, se a música fala da barata, é importante falar da importância da limpeza pra que elas não se proliferem. Se a música fala da galinha, fale sobre os ovos que elas nos dão, a carne, como se reproduzem,etc. Dessa forma, as crianças vão aprendendo e assimilando os conteúdos de maneira prazerosa.

Podemos utilizar as músicas para trabalhar o corpo (movimentos, articulações), ritmo, alfabetização, tamanhos, cores, medidas, formas, etc. 

As músicas permitem que as crianças trabalhem em grupo, facilitando a socialização, a troca de conhecimento na realização das atividades escolares, além de trazer bem estar quando cantam e dançam.

Diferente de muitos desenhos da atualidade, a Galinha Pintadinha resgata a música nacional e proporciona que a cultura brasileira seja repassada de geração a geração. Ao trabalhar com os alunos as músicas da “Galinha Pintadinha”, percebe-se que as crianças interagem o tempo todo, ficam alegres, motivadas e todas as atividades são assimiladas com maior facilidade. A música desenvolve a sensibilidade, a percepção, a observação, a criatividade e a autoestima.

Personagens: Galinha Pintadinha, Galo Carijó, Baratotal, Baratazul, Baratinha, Borboletinha, Pintinho, Gavião, as três galinhas coloridas entre outros.

 
Possibilidades de trabalhar com “A Galinha Pintadinha”

Objetivos:

Trabalhar com as músicas infantis (DVDs da Galinha Pintadinha) fazendo com que as crianças se movimentem (dança), interpretem (teatro) e se socializem.

b) Desenvolver a alfabetização, habilidades artísticas e matemáticas fazendo os personagens das músicas infantis.

c)  Refletir sobre os valores e a alegria que as músicas retratam. 


 Atividades: Confecção dos personagens que são temas das músicas dos DVDs da Galinha Pintadinha.


Sugestão de trabalho

a) As crianças já chegam à escola com conhecimento da maioria das músicas que fazem parte dos DVDs da Galinha Pintadinha, portanto, escolha uma música, coloque pra elas ouvirem. Depois, peça que cantem e dancem.

b) Converse sobre o que a música fala. Proponha que desenhem e pintem o personagem da música ou façam com papel, EVA, sucata, etc. Converse com os alunos sobre os valores que a música traz.

c) Fale sobre o animal, tema da música que está sendo trabalhada. É alimento? De que forma é preparado? É peçonhento? É doméstico? Tem penas? Pelo? É grande? Pequeno? ...

d) Ao final da atividade, converse com os seus alunos sobre o que aprenderam com o projeto. O que mais gostaram, o que não foi tão agradável.

e) Numa outra aula, proceda da mesma forma com outra música do DVD.


Técnicas trabalhadas / Materiais utilizados / Conteúdos:


Técnicas trabalhadas:  Recorte, Colagem e Pintura

 

Materiais: EVA, papéis, sucatas, Crystal cola Mettalic, Brilliant e Glitter, Tinta Confetti, Guache, Tinta Acrílica fosca e brilhante, Marcador Permanente, Big Canetas Hidrográficas, Big Lápis de cor, Cola branca, Cola para EVA e tesoura.

 

Conteúdos

- Artes (Artes Plásticas) - Linhas, formas, cores, textura, bi e tridimensão, sobreposição, composição, proporção.

-  Artes (Música / Dança / Teatro) – Ritmo, canto, movimento, coreografia e representação.

- Matemática – Linhas, formas, soma e subtração, paralelas, perpendiculares, ângulos e raciocínio lógico.

-  Alfabetização – oralidade, audição, leitura e escrita.

Obs: As sugestões 01, 02 e 03 foram enviadas pela professora Fernanda Estefano Bortolazzo de Capivari – SP.

As sugestões 04, 05, 06, 07, 08, 09 e 10 foram enviadas pela prof. Francine Souto de São Miguel Paulista – SP.

A sugestão 11 foi enviada pela prof. Ligia Nogueira de Paraguaçú Paulista – SP - http://ligiaevarts.blogspot.com/


Atividades

1) A Galinha Pintadinha – Fantoche de vara


Material: bolinha de isopor 5 cm de diâmetro, EVA azul, amarelo e vermelho, Cola de EVA e isopor, Marcador Permanente preto, Tinta Confetti, Crystal cola Brilliant branca, olhos móveis, secador de cabelos, tesoura, pincel, palito de churrasco e fitas (azul e branco).

Modo de fazer:

a) Corte a bolinha de isopor pela metade. Corte um círculo com 10 cm de diâmetro de EVA azul, esquente com o secador para que você possa encapar a bolinha de isopor.

b) Passe Cola de EVA ou isopor na meia bolinha e cole o EVA “boleado” sobre ela. Espere secar. Recorte as sobras.

c) Por trás, cole as duas formas que representam as asas e a crista. Cole um círculo com 5 cm de diâmetro (EVA azul) para fazer o acabamento.

d) Passe Tinta Confetti nas asas da galinha. Cole um triângulo de EVA amarelo (bico) e um coração vermelho (papo).

e) Faça os acabamentos com Marcador Permanente preto (contornos) e Crystal cola Brilliant branca (pintinhas).

f) Espete um palito de churrasco na parte inferior da galinha e encape com fitas.


2) A Galinha Pintadinha – Fantoche de mão

Material: EVA azul, laranja, vermelho e branco, Marcador Permanente preto, Tinta Acrílica branca, Giz de cera triangular, Tinta Confetti, cola para EVA, tesoura e pincel.

Modo de fazer:

a) Risque o molde da Galinha Pintadinha num pedaço de cartolina.  Corte duas vezes no EVA azul. Pinte uma das partes com o Giz de cera triangular azul. Pinte as bolinhas da galinha com a Tinta Acrílica branca.

b) Passe Cola de EVA n as laterais e parte superior para juntar as duas partes. Cole a crista entre as duas partes.

c) Passe Tinta Confetti no lado que foi pintado com Giz de cera triangular. Cole os olhos, bico e papo. De acabamento com Marcador Permanente preto.


3) A Galinha Pintadinha – Porta doces

Material: EVA azul, laranja, vermelho e branco, Marcador Permanente preto, Crystal cola Brilliant branca, Tinta Acrílica branca e azul, Tinta Confetti, Cola para EVA, tesoura e pincel. 

Modo de fazer:

a) Desenhe a Galinha Pintadinha no EVA azul, recorte-a por partes. Nas pontas das asas, parte inferior do corpo e parte inferior da cabeça, faça detalhes com Tinta Acrílica azul, faça detalhes com pinceladas de Tinta Acrílica branca. Pinte todas as partes com Tinta Confetti.

b) Monte a galinha colando as partes: crista, asas, olhos, bico, pernas, rabo, pés e papo. Dê acabamento com Marcador Permanente preto.

c) Faça uma caixinha com o EVA azul (porta doces). Cole a galinha na caixinha. Dê acabamento com pintinhas brancas (Crystal cola Brilliant branca).

 

4) A Galinha Pintadinha – Porta refrigerante

Material: cartolina branca, Big Lápis de Cor, Big Canetas Hidrográficas (preta), Crystal cola Brilliant branca, Cola branca, e tesoura.

Modo de fazer:

a) Faça o desenho da Galinha Pintadinha num pedaço de cartolina e expanda para os dois lados de maneira que de para envolver a garrafa de refrigerante. Pinte com os Big Lápis de Cor. Faça os contornos com a Big Caneta Hidrográfica preta. Recorte e cole as laterais para formar o porta refrigerante.

 

5) A Galinha Pintadinha – Cestinha de flores

Material: papel color set ou cartão azul turquesa, vermelho, branco e laranja, Guache branco, pincel fino ref. 052, nº 2, Big Canetas Hidrográficas (preta), cola branca e tesoura.

Modo de fazer:

a) Recorte um quadrado medindo 15x15cm no papel color set azul, divida-o em três partes iguais nos dois sentidos. Recorte nas linhas tracejadas. Vinque bem nas linhas inteiras.

b) Cole os quadrados conforme mostra a foto 02. Faça uma tira de papel e cole dos dois lados (alça).

c) Recorte a cabeça da Galinha Pintadinha no papel color set azul, cole o papo, bico e olhos. Faça os contornos com a Big Caneta Hidrográfica preta. Faça as pintas da Galinha com o Guache branco e o pincel ref. 052, nº2.


6) A Galinha Pintadinha – Chaveiro


Material: EVA azul, amarelo e vermelho. Cola para EVA, Guache branco, Tinta Acrílica fosca laranja, olhos móveis, tesoura, pincel ref. 052, nº2, argola e corrente para chaveiro.

Modo de fazer:

a) Recorte no EVA azul Uma oval (galinha) e as asas. Os bicos e pés (EVA amarelo), papo e crista (EVA vermelho). Cole as partes na oval para formar a galinha conforme foto.

b) Pinte o bico e os pés com a Tinta Acrílica laranja. Cole os olhos móveis e dê acabamento com Guache branco e pincel fino ref. 052, nº02.  Faça um pequeno furo e encaixe a corrente do chaveiro.

 

7) A Galinha Pintadinha – Máscara


Material: EVA azul, branco e vermelho, Guache branco, Tinta Confetti, Cola de EVA, lastex e tesoura.

Modo de fazer:

a) Risque a máscara da galinha no EVA azul e recorte. Recorte o bico, crista, papos e olhos.  Cole sobre a máscara. Passe Tinta Confetti no EVA branco (olhos).

b) Faça as pintinhas e os detalhes com Tinta Guache branca. Faça dois furos laterais para amarrar o lastex.


8) A Galinha Pintadinha – Jogo da Memória

Material: Papel Ecocores 21 cores e Papel Ecocores Textura, cartolina branca, Big Lápis de cor, Big Canetas Hidrográficas, cola branca e tesoura.

Modo de fazer:

a) Escolha uma das cores do papel Ecocores 21 cores e recorte retângulos iguais (nº par). Recorte retângulos menores no papel Ecocores Textura e cole num dos lados de cada retângulo.

b) Pinte os personagens da turma da Galinha Pintadinha (2 iguais de cada). Utilize os Big Lápis de cor e as Big Canetas Hidrográficas. Recorte deixando uma pequena moldura branca. Cole nos retângulos. Para brincar as crianças terão que achar os pares.

 

9) A Galinha Pintadinha – Porta bombom

Material: Papel color set ou cartão azul turquesa, vermelho, branco e laranja, Crystal cola Brilliant branco, cola branca, tesoura e Big Caneta Hidrográfica preta.

Modo de fazer:

a) Faça um quadrado medindo 6x6cm. Em cada um dos lados risque outro quadrado, arredonde as pontas. Recorte. Vinque nas linhas marcadas e dobre para fazer a embalagem do bombom.

b) Coloque o bombom dentro da embalagem, faça um furo em cada uma das partes arredondadas e amarre com uma fita.

c) Faça o desenho da cabeça da galinha, cole papo, bico, olhos e crista. Faça as pintinhas com Crystal cola Brilliant branca. Faça os contornos com a Big Caneta Hidrográfica preta. Cole a galinha na embalagem.

 

10) A Galinha Pintadinha – Jogo – Aprendendo a somar e subtrair.




Material: palitos de sorvete, EVA branco, Marcador Permanente vermelho, Giz de cera, Cola de EVA, Crystal cola Glitter prata e tesoura.

Modo de fazer:

a) Recorte 13 ovos em EVA branco. Em cada um escreva um número de 1 a 10. Nos outros três faça os sinais “+”,  “-“ e  “=”.

b) Deixe-os brilhantes com Crystal cola Glitter prata espalhada com o dedo indicador. Pinte os palitos de azul (Giz de cera). Cole os ovos nos palitos.

c) Desafie os alunos a fazerem contas de soma e subtração. Ganha o aluno ou o grupo que acertar mais.

 

11) A Galinha Pintadinha -  A roça



Material: EVA de várias cores, cola de EVA, palitos de churrasco, cola quente, tesoura, secador de cabelos e Marcador permanente preto e vermelho.

Modo de fazer:

a) Recorte círculos de EVA e encape as bolas de isopor (esquente com secador de cabelos para que o EVA se torne flexível).

b) Junte as bolas encapadas com palitos de churrasco. Faça pernas com palitos de churrasco, encape.

c) Para manter os animais em pé, espete os palitos (pernas) em bolas de isopor (metade) encapadas com EVA.

d) Cole nos animais as asas, crista e demais partes feitas em EVA. Faça os detalhes nos olhos e bico com o Marcador Permanente preto.


Obs: Plano de Aula publicado no site da Acrilex - www.acrilex.com.br - Link "Educadores" - Pasta "Projetos"

 

Ivete Raffa

Arte educadora e pedagoga

iveteraffa@uol.com.br

quinta-feira, 17 de junho de 2021

Projeto - "Fazendo Arte com Impressões Digitais"

 Projeto: "Fazendo Arte com Impressões Digitais"

Fazer arte com impressões digitais é uma excelente atividade para promover momentos de prazer em meio a brincadeira, estimular o a criatividade da criança e auxiliar em seu desenvolvimento motor.  Nessas atividades as crianças manuseiam diferentes materiais expressivos e texturas.


O que é uma expressão digital?

É o desenho formado pelas papilas (elevações da pele), presentes nas polpas dos dedos das mãos, deixado em uma superfície lisa. As impressões digitais são únicas em cada indivíduo, sendo distintas inclusive entre gêmeos univitelinos, eles possuem o mesmo DNA mas as impressões digitais são diferentes. Tal característica, chamada unicidade, as faz serem utilizadas como forma de identificação de pessoas há séculos.

As papilas são formadas durante a gestação e acompanham a pessoa até a morte, sem apresentar mudanças significativas.  Esta propriedade é conhecida como imutabilidade.

 

A impressão digital apresenta pontos característicos e formações que permitem a um perito ou um papiloscopista identificar uma pessoa de forma bastante confiável. Tal comparação é também feita por sistemas computadorizados, os chamados Sistemas de Identificação Automatizada de Impressão Digital.

 

A utilização de impressões digitais para identificar pessoas existe desde a Antiguidade em diversos lugares, como Mesopotâmia, Turquestão, Índia, Japão e China com o objetivo de autenticar documentos e selar acordos civis e comerciais. O primeiro sistema de identificação por impressões digitais foi criado por Francis Galton, com base em anotações anteriores de outros autores.

 

Desde o ano de 2008, a digital dos dedos é utilizada para a identificação de eleitores no Brasil. Em 2010, o uso desse sistema foi ampliado e tornou-se acessível a mais de 45 mil pessoas. Essa tecnologia é um dos recursos biométricos e, junto com o exame da íris dos olhos e da frequência da voz, auxilia na precisão para a diferenciação humana. As eleições brasileiras têm sido acompanhadas por técnicos de outros países preocupados em evitar fraudes eleitorais.

 

 

A arte de Ingrid Aspock

Ingrid Aspock, artista austríaca, transforma impressões digitais em histórias divertidas, veja algumas de suas obras.

“Maestro e público” 

“Super herói” e “Músico agitando a galera”

 

Possibilidades de trabalhar com impressões digitais com os alunos


Objetivos:

a) Desenvolver nos alunos a curiosidade, a relação com as formas e o desenho.

b) Utilizar-se das impressões digitais para expressar-se artisticamente e criativamente relendo histórias, músicas ou temas propostos.

 

Atividades: Confecção de animais com as digitais.

 

Sugestão de trabalho:

a) Apresente aos alunos a música “Os dedinhos” e proponha que cantem juntos.

Polegares, polegares / Onde estão / Aqui estão / Eles se saúdam / Eles se saúdam / E se vão / E se vão.

Indicadores, indicadores / Onde estão / Aqui estão / Eles se saúdam / Eles se saúdam / E se vão / E se vão.

Dedos médios, dedos médios / Onde estão / Aqui estão / Eles se saúdam / Eles se saúdam / E se vão / E se vão.

Anelares, anelares / Onde estão / Aqui estão / Eles se saúdam / Eles se saúdam / E se vão / E se vão.

Dedos mínimos, dedos mínimos / Onde estão / Aqui estão / Eles se saúdam / Eles se saúdam / E se vão / E se vão.

Todos os dedos, todos os dedos / Onde estão / Aqui estão / Eles se saúdam / Eles se saúdam / E se vão / E se vão.

Polegares, indicadores, dedos médios, anelares, dedos mínimos, todos os dedos / Onde estão / Aqui estão / Eles se saúdam / Eles se saúdam / E se vão / E se vão.

b) Depois de cantarem a música os alunos farão experiências de impressão com os dedos. Utilize pintura a dedo se forem da Ed. Infantil ou almofada de carimbo para os alunos da Ed. Fundamental I.

c) Diga aos alunos que as impressões digitais possibilitam fazer inúmeras atividades artísticas. Mostre algumas possibilidades para eles.





Fonte: Emberly, E. R. - “Desenhando com os dedos” – Tradução: Shirlei Ap. Souza – Ed. Panda

 

d)  Refaça com seus alunos a história “O mistério do ovo”.

e)  Faça uma roda de conversa onde os alunos dirão o que aprenderam com a atividade realizada, quais as dificuldades encontraram, quais conteúdos foram aprendidos e o que mais gostaram.

Técnicas trabalhadas / Materiais utilizados:

Técnicas trabalhadasImpressão, Pintura, Recorte e Colagem.

Materiais : Papéis (cartolina branca e colorset colorido para as molduras), Tintas / Colas – Giz de cêra, Pintura a dedo, Têmpera guache, Guache Metálico, Tinta Confetti, Big Canetas Hidrográficas, Cola branca.


O mistério do ovo

Era uma vez um ovo que apareceu no quintal.

Não era da porca. Porca não bota ovo.

Também não era da gata. Você já viu gato botar ovos?

Se fosse Páscoa, poderia ter sido presente do coelho. Coelho não bota ovo.

Poderia ser da tartaruga. Tartaruga bota ovo.

Poderia ser da pata. Pata também bota ovo.

E se for da coruja? Será?

Se fosse maior, poderia ser da avestruz.

Ou seria da fêmea do jacaré?

Ou do dinossauro! Não sei...

O ovo se partiu, descobrimos de quem ele é.

E aí você já sabe? 














Outras possibilidades


    Cinco patinhos

   Joaninha é baixinha... há, há, há...

    Como pode um peixe vivo, viver fora da água fria...

A dona Aranha subiu pela parede, veio a chuva forte e a derrubou...




Obs: Plano de Aula publicado no site da Acrilex - www.acrilex.com.br - link "Educadores" - Pasta - Projetos.

Ivete Raffa

Arte educadora e pedagoga

iveteraffa@uol.com.br 

quarta-feira, 16 de junho de 2021

Projeto - "Bumba meu Boi"

Projeto: “Folclore”  

Podemos definir o folclore como um conjunto de mitos e lendas que as pessoas passam de geração para geração. Muitas destas histórias foram criadas para passar mensagens importantes ou apenas para assustar as pessoas. O folclore pode ser dividido em lendas e mitos. Muitos deles deram origem às festas populares, que ocorrem pelos quatro cantos do país.

Nosso folclore:

Cantigas de roda e brincadeiras: ciranda cirandinha, pega-pega, passa anel, etc.

Culinária: feijoada, virado a paulista, etc.

Ditados populares: “De grão em grão a galinha enche o papo”, etc.

Brinquedos populares: boneca de pano, pião, bola de meia, etc.

Folclore urbano: frases escritas em pára-choques dos caminhões, etc.

Roupas: trajes próprios de cada região

Diferenças de vocabulário: nomes diferentes para um mesmo brinquedo (pipa, papagaio, pandorga), etc.

Lendas: histórias irreais que o povo conta para explicar a formação do Universo, origem de plantas, frutos, etc.

Mitos: seres irreais (curupira, saci-pererê), etc.

Danças: pezinho, ciranda, carimbó, etc.

Superstições: gato preto, pé de coelho, etc.

 

A ARTE E O FOLCLORE

Alguns artistas se inspiraram no nosso folclore e nas nossas tradições para realizarem seus trabalhos, dentre eles estão:



Literatura de Cordel

A Literatura de Cordel é formada por versos na maioria das vezes rimados; o cordel fala sobre o amor, festas, saudades, alegrias e tristezas. Os textos dessa literatura são ilustrados por meio de uma técnica chamada Xilogravura.

 

Xilogravura

Gravura em madeira trabalhada na superfície paralelamente às fibras da prancha; o termo também se aplica à estampa assim obtida.

Trata-se da mais antiga técnica de gravura, e seus princípios são muito simples. O artista desenha uma imagem sobre a superfície lisa e plena de um bloco de madeira e então, com a faca e as goivas, entalha as partes que deverão ser brancas, deixando a imagem projetar-se em relevo. Depois de revestir a superfície do bloco com nanquin, o xilógrafo coloca-o sobre uma folha de papel. Finalmente aplicando pressão sobre as costas da folha, à mão ou por meio de uma prensa, transfere para o papel uma impressão invertida da imagem gravada.

A história e a prática da xilogravura sempre estiveram intimamente ligadas à arte do livro.


Sugestões para pesquisa

Escritores de Cordel: Abraão Batista, Ciro Fernandes, José Costa Leite, Marcelo Alves Soares, Minelvino Francisco Silva, Severino Gonçalves de Oliveira.

Artistas da Xilogravura: Lasar Segall, Oswaldo Goeldi, Lívio Abramo, Renina Katz, Marcelo Grassmann, Fayga Ostrower, Maria Bonomi, Carlos Scliar, Gilvan Samico, entre outros.

Sugestão de atividade: Xilogravura em bandeja de isopor (Isogravura)


Materiais: Bandeja de isopor, folha de sulfite, papel vegetal, lápis, caneta esferográfica, Big Caneta Hidrográfica, Tempera Guache, pincel chato de pelos e poesia ou letra de música.

Modo de fazer:

a) Escolha uma estrofe de poesia ou letra de música. Escreva-a em uma parte da folha de sulfite utilizando a Big Caneta Hidrográfica.

b) No papel vegetal crie um desenho relacionado com a letra escrita. Transfira-o para o isopor com o lápis calcando o desenho. Com a caneta esferográfica reforce os traços formando sulcos.

c) Com o pincel, passe a Tempera Guache sobre todo o isopor. Transfira a gravura para o papel, fazendo uma pressão do isopor sobre o papel e depois do papel sobre o isopor. Retire o isopor e terá a estampa transferida.

 


Algumas lendas, mitos e contos folclóricos do Brasil:


Boitatá - Representada por uma cobra de fogo que protege as matas e os animais e tem a capacidade de perseguir e matar aqueles que desrespeitam a natureza.

 

Boto - Acredita-se que a lenda do boto tenha surgido na região amazônica. Ele é representado por um homem jovem, bonito e charmoso que encanta mulheres em bailes e festas. Após a conquista, leva as jovens para a beira de um rio e as engravida. Antes de a madrugada chegar, ele mergulha nas águas do rio para transformar-se em um boto.

 

Curupira - Assim como o boitatá, o curupira também é um protetor das matas e dos animais silvestres. Representado por um anão de cabelos compridos e com os pés virados para trás. Persegue e mata todos que desrespeitam a natureza. Quando alguém desaparece nas matas, muitos habitantes do interior acreditam que é obra do curupira.

 

Lobisomem - Diz o mito que um homem foi atacado por um lobo numa noite de lua cheia e não morreu, porém desenvolveu a capacidade de transformar-se em lobo nas noites de lua cheia. Nestas noites, o lobisomem ataca todos aqueles que encontrar pela frente. Somente um tiro de bala de prata em seu coração seria capaz de matá-lo.

 

Mãe-D'água - Este personagem tem o corpo metade de mulher e metade de peixe. Com seu canto atraente, consegue encantar os homens e levá-los para o fundo das águas.

 

Mula-sem-cabeça - Contam que uma mulher teve um romance com um padre. Como castigo, em todas as noites de quinta para sexta-feira é transformada num animal quadrúpede que galopa e salta sem parar, enquanto solta fogo pelas narinas.

Saci-Pererê - O saci-pererê é representado por um menino negro que tem apenas uma perna. Sempre com seu cachimbo e com um gorro vermelho que lhe dá poderes mágicos. Vive aprontando travessuras e se diverte muito com isso. Adora espantar cavalos, queimar comida e acordar pessoas com gargalhadas.

Bumba-meu-Boi é uma das manifestações folclóricas brasileiras mais conhecidas e populares. Trata-se de uma espécie de auto que mistura teatro, dança, música e circo.
Cantando, conta-se a história da morte e da ressurreição de um boi.

A encenação pode ter várias formas, mas o enredo básico conta a história da escrava Catirina (ou Catarina),  grávida, que pede ao marido Francisco que mate o boi mais bonito da fazenda porque quer comer a sua língua. Ele atende ao desejo da mulher e é preso pelo seu feitor, que tenta ressuscitar o boi, com a ajuda de curandeiros ou pajés. Quando o animal volta à vida, tudo é festa. Outros personagens podem participar: Bastião, Arlequim, Pastorinha, Turtuqué, o engenheiro, o padre, o médico, o diabo etc, todos quase sempre interpretados por homens, que também fazem os personagens femininos.

 

Festa em Parintins (AM) - Garantido e Caprichoso

A história mais contada sobre a origem dos nomes dos bois, Garantido e Caprichoso, fala de um amor que o poeta Emídio Rodrigues Vieira teria pela mulher do repentista Lindolfo Monteverde. Ambos apresentavam seus bois todos os anos, até que Emídio desafiou: "Se cuide que este ano eu vou caprichar no meu boi". Ao que o repentista respondeu: "Pois capriche no seu que eu garanto o meu". A partir daí, a cada ano, um queria ser melhor do que o outro.

Apesar de a rivalidade ser uma das características da festa, as torcidas jamais devem vaiar a apresentação do boi adversário. Quando um torcedor do Garantido quer se referir ao Caprichoso, diz apenas "o contrário". E vice-versa. Os músicos que tocam no Caprichoso formam a Marujada, enquanto os do Garantido são a Batucada.

“Bumba meu boi” – Cândido Portinari - 1959


Atividades: - Confeccionar com sucata bois (Garantido e Caprichoso)  


Objetivos:

- Proporcionar às crianças o conhecimento das tradições de seu povo nas diferentes regiões do país, as músicas, comidas típicas, personagens folclóricos, danças, etc.

- Conhecer obras de pintores que retratam nosso folclore (Márcio Mello, Cândido Portinari e outros).

- Conhecer a Festa de Parintins e seus personagens (Boi Caprichoso e Boi Garantido) e todos os significados trabalhados nesta festividade.


I – Boi com garrafa PET

Material: sucata (caixa de sapatos, garrafa pet e bloco de isopor), areia, tecidos (lisos e estampados), Crystal cola, Cola para lantejoula, Guache preto, papel laminado, cola quente e cola pra tecido, tesoura, olhos móveis e fitas.

Modo de fazer:

1 – Corpo do boi

a)  Encha a garrafa PET com areia e tampe.

b)  Faça um furo na caixa de sapatos (fundos) e encaixe a garrafa pet.

c)  Corte uma tira de tecido estampado, 50% maior que a volta toda da caixa. Decore e realce as estampas com Crystal cola.

d) Corte uma tira de tecido liso mais curta que o tecido estampado. Ela deverá ter o mesmo comprimento do tecido estampado. Decore com Crystal cola.

e) Cole o tecido estampado levemente franzido nas laterais da caixa de sapato.

f)  Cole um tecido liso por cima do estampado, no mesmo lugar.

g) Arredonde a caixa de sapatos na parte superior.

h) Encape essa caixa com tecido liso. Dê acabamento com uma fita larga colada em toda a volta da caixa, sobre o início dos babados.

i)  Cole estrelas de papel alumínio, lantejoulas e pedras na parte superior da caixa de sapatos.


2 – Cabeça do boi

a) Pegue um bloco de isopor e, com a ajuda de uma faquinha, vá modelando a cabeça do boi. Pinte-a de preto com guache.

b) Cole lantejoulas, pedras e fitas. Com cola quente, cole a cabeça no corpo do boi.

Obs: Boi confeccionado pela professora Gloria Tommasi


II – Boi com embalagens de tinta acrílica

Material: Primer, Tinta acrílica fosca, sucata (embalagem vazia de tinta acrílica / bisnagas), papelão, EVA preto, olhos móveis, pincel e tesoura.

Modo de fazer:

a) Desenhe os chifres do boi, as orelhas e a cara no papelão. Recorte e pinte.

b) Pinte a caixa de tintas (sucata) com Primer. Dê duas demãos. Pinte com Tinta Acrílica fosca.

c) Recorte duas ovais em EVA preto e cole sobre a caixinha. Cole os olhos móveis. Cole os chifres, as orelhas, e a cara.

d) Para fazer um fantoche, cole o boi pronto sobre uma régua ou pedaço de madeira e aproveite para criar histórias inéditas com eles.


III – Boi com rolinhos de papel higiênico


Material: Crystal cola, Cola de EVA, Cola branca, EVA, tesoura, rolinho de papel higiênico, potinho de iogurte pequeno, palitos de sorvete e olhos móveis.

Modo de fazer:

a) Recorte os chifres do boi em EVA e cole atrás da embalagem de iogurte (cabeça) com cola para EVA. Espere secar. Cole o rolinho de papel higiênico atrás da cabeça do boi.

b) Corte dois palitos de sorvete ao meio e cole as metades no rolinho pra fazer as pernas do boi. Corte um retângulo em EVA e decore com Crystal cola. Cole sobre o rolinho.

c) Picote uma tira de EVA, cole como um rolinho e cole atrás, por dentro do rolinho de papel higiênico (rabo do boi). Cole os olhinhos móveis e, com Crystal cola preta, faça as narinas do boi.


Conteúdos trabalhados:

- 22 de Agosto – Dia do Folclore

- Lendas, mitos e contos folclóricos do Brasil .

- Literatura de cordel e xilogravura.

- Festa em Parintins (AM) – Boi Garantido e Boi Caprichoso.

- Teatro de fantoches.

- Pontos, linhas, formas, cores, contrastes, proporção, tridimensão, textura, escultura e estética.


Técnicas trabalhadas:

- Atividade 01 – Boi com garrafa PET – Montagem tridimensional e pintura sobre tecido e isopor.

- Atividade 02 – Boi com embalagens de tinta acrílica – Pintura sobre sucatas.

- Atividade 03 – Boi com rolinhos de papel higiênico – Montagem tridimensional e pintura sobre EVA.

 

Encaminhamento do trabalho:

– Pergunte às crianças o que elas sabem sobre Folclore.

- Fale sobre as lendas, mitos e contos folclóricos. Peça que perguntem aos pais sobre esse assunto e compartilhem na aula seguinte com os demais alunos da sala.

- Peça que tragam frases escritas em caminhões e, com elas, monte um painel.

- Proponha que montem uma mesa com pratos de várias regiões do país.

- Relembre com os alunos as brincadeiras de rua e as cantigas de roda.

- Fale sobre a literatura de cordel e faça com eles a atividade de isogravura.

- Fale sobre a história do Boi bumbá e, em seguida, pergunte se já viram na TV as apresentações que acontecem no Amazonas, em Parintins do Boi Caprichoso e do Boi Garantido. Peça que pesquisem sobre o assunto na sala dos computadores da escola.

- Proponha que façam com sucatas os bois e montem uma exposição na escola. Nessa exposição expliquem sobre a Festa do Boi bumbá que acontece em várias partes do Brasil e a Festa de Parintins que ficou tradicional e atrai todos os anos centenas de turistas para a cidade.

- Construa com as crianças o Boi Bumbá com caixas de papelão (sugestão em Brinquedos e Brincadeiras) e, com ele, encenem a história do boi e brinquem a valer. 

Reflexão

- Conversem sobre tudo que aprenderam sobre o Folclore, sobre a literatura de cordel, sobre a confecção dos bois,  a Festa de Parintins, enfim façam uma reflexão sobre tudo o que foi aprendido e a importância que o tema tem na vida dos brasileiros.


Observação: Para ter mais ideias leia os livros “Comemorando e Aprendendo” I, II , III e IV de autoria de Ivete Raffa – Editora Rideel

Colaboração – Prof. Glória Tommasi – SP

Obs: Plano de Aula publicado no site da Acrilex -  www.acrilex.com.br - link - "Educadores" - Pasta "Projetos"

Ivete Raffa

Arte educadora e Pedagoga

iveteraffa@uol.com.br